Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado e dos Municípios da Bahia

MPF EXIGE PRISÃO DE GESTOR, MAIS 26 PESSOAS

18 mar 2012

 

Após mais de cinco anos de uma investigação minuciosa da Polícia Federal (PF) e Controladoria Geral da União (CGU), o Ministério Público Federal exige que a Justiça determine o afastamento e a prisão do prefeito de Santa Luzia, Ismar Jacobina Santana (PTB), e de outras 26 pessoas.

O inquérito, segundo o site, já foi concluído, inclusive, com as defesas dos acusados, e está nas mãos da desembargadora Assusete Magalhães, que só precisa dar o veredito.
O processo (nº 2009.01.00.050228-4) corre em segredo de Justiça, mas a reportagem do site Teia de Notícias teve acesso ao documento com exclusividade. O inquérito evidencia a existência de uma suposta quadrilha dentro da prefeitura de Santa Luzia, que fraudava licitações e deixou um rombo de mais de R$ 8 milhões.
A denúncia pede que Ismar Santana seja enquadrado em pelo menos sete modalidades de crime, com destaque aos de formação de quadrilha, falsificação de documento público, falsidade ideológica e prevaricação.
Para desvendar o esquema, a PF e a CGU apreenderam computadores da prefeitura e notas fiscais, além de terem realizado uma série de escutas telefônicas.
Nas conversas por telefone, os suspeitos revelam os detalhes de como as tramoias funcionavam, a exemplo das confecções de notas fiscais falsas e pagamento de propina para os participantes.
A operação policial revelou ainda que a prefeitura fazia simulação de contratações de empresas fantasmas registradas em nomes de “laranjas” dos principais articuladores da organização criminosa. Eles usavam registro de pessoas mortas para participar de certames licitatórios. Tudo para lesar o erário público.