Sindicato dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado e dos Municípios da Bahia

CONCURSOS PÚBLICO BENEFICIAM AMIGOS E PARENTES DE POLÍTICOS

18 jun 2012

http://www.youtube.com/watch?v=3L16qgOQyms&feature=related (clique e veja)

http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/06/concursos-publicos-beneficiam-amigos-e-parentes-de-politicos.html

Em Novo Barreiro, no RS, o MP investiga a venda de vagas para o concurso da prefeitura com desconto EM folha. Um esquema de fraude funciona em todo o país.

A gangue do cabide de emprego é mais um escândalo revelado pelo Fantástico. Um esquema de fraude que funciona em todo o país e transforma concursos públicos num jogo de carta marcada. E que beneficia amigos e parentes de políticos. O repórter Geovani Grizotti revela detalhes inéditos das investigações. Os golpes são vergonhosos.

Com problemas de visão, um homem sequer conseguiu ler as perguntas para o concurso de cargo de pedreiro em Itati, no interior do Rio Grande do Sul, mas passou em primeiro lugar. Ele era amigo do prefeito, que havia garantido a aprovação dele e diz que não mereceria ter passado. Ao todo, 41 pessoas foram indiciadas pela polícia por causa da fraude.

Em Novo Barreiro, também no Rio Grande do Sul, o Ministério Público investiga a venda de vagas para o concurso da prefeitura com desconto em folha. Já em outras duas cidades gaúchas, CPIs investigam uma troca de favores nos concursos realizados pela mesma empresa. O prefeito de Formigueiro teria aprovado o filho do prefeito de Nova Palma, que em troca teria aprovado a sobrinha do prefeito de Formigueiro.

Fraudes como estas se espalham por todo o Brasil. Durante dois meses, o Fantástico investigou seis empresas que realizam concursos públicos. Elas fraudam licitações, pagam propina e ainda garantem a aprovação de indicados por prefeitos e vereadores. É o que garante Neide Ferreira, dona da DP Consultoria, de Francisco Beltrão, no Paraná. Ela revela que garante a aprovação de cinco pessoas, sem saber que estava sendo gravada.

Luiz Pasinato, representante da empresa Lógica, de Ronda Alta, no Rio Grande do Sul, é alvo de investigações do Ministério Público. Ele cobra R$ 5 mil para aprovar cada candidato e ainda um valor por fora, sem o conhecimento da empresa.

Para não chamar a atenção, os candidatos beneficiados não são aprovados em primeiro lugar. Ficam em terceiro. Os dois primeiros seriam laranjas colocados pela empresa que organiza o concurso. Depois, eles desistem da vaga. O esquema é relatado por Clóvis Paulete, da empresa Inova, em MaravilhaSanta Catarina.

Considerado um dos maiores especialistas em concursos públicos no país, o juiz federal Willian Douglas cobra uma legislação específica para o setor e faz um alerta: “Quando a gente fala de fraude para concurso, a gente está falando de você colocar corrupto em gente que vai ficar checando a população. Esse que é o grande drama.

Os prefeitos de Novo Barreiro e Itati não quiseram comentar as denúncias. Todas as empresas citadas na reportagem foram procuradas e negaram as acusações..